procedimentos.jpg

Procedimentos

Algumas vezes, intervir na causa da arritmia cardíaca, como a relacionada à obesidade ou a distúrbios na tireoide,pode ser suficiente para cessar a falta de ritmo nos batimentos cardíacos e dos sintomas que surgem com ela, como falta de ar e tontura.

Porém,há casos em que é preciso também realizar tratamento específico para regular o ritmo do coração. E isso pode ser feito com medicações,implante de dispositivos cardíacos eletrônicos ou outros procedimentos, como os listados abaixo:

Consulta de

arritmologia

Análise clínica e com exames complementares fundamentada no diagnóstico das arritmias cardíacas, que incluem a taquicardia, quando o coração bate muito rápido, e bradicardia, quando o ritmo é lento, com objetivo de tratamento clínico ou invasivo.

Estudo Eletrofisiológico Invasivo (EEI)

Espécie de cateterismo realizado pelas veias da virilha com o intuito de analisar a atividade elétrica do coração e possíveis disfunções.

Ablação
por cateter

Procedimento minimamente invasivo e adicional ao EEI, o Estudo Eletrofisiológico Invasivo, com o intuito de cauterizar os focos de origem da arritmia.

Taquicardia Paroxística Supraventricular
(TPSV)

O ritmo cardíaco anormal, em que os batimentos do coração aumentam muito rapidamente e, em seguida, voltam ao normal.Entre os mais comuns estão: por vias acessórias (WPW, Wolff-Parkinson-White); fibrilação atrial; flutter atrial; taquicardia por reentrada nodal; extra-sístole atrial; e extra-sístole ventricular.

Crioablação de fibrilação atrial

Cauterização que utiliza o frio/congelamento para eliminar os focos da arritmia.

Oclusão do apêndice atrial esquerdo

Em alguns casos de fibrilação atrial, em que o ritmo cardíaco é irregular, muitas vezes acelerado, e há grandes riscos de formação de coágulo e de sangramento, implanta-se um dispositivo que fecha o principal local de formação dos coágulos, o apêndice atrial esquerdo.

Implante de marcapasso cardíaco

Cirurgia de pequeno a médio porte com implante de dois eletrodos no lado direito do coração (átrio e ventrículo) que ficam conectados a um gerador. Esse sistema é colocado na região peitoral próxima do ombro e funciona nos mais diversos cenários de baixa frequência cardíaca (bradicardia).

Implante de CardiodesfibriladorImplantável (CDI)

Sistema similar a um marcapasso, com a diferença que um dos eletrodos (o do ventrículo direito) tem a capacidade de detectar e tratar arritmias ventriculares malignas, que têm risco de morte súbita.

Implante de ressincronizador cardíaco

Sistema cujos eletrodos à direita podem ser do tipo marcapasso ou CDI, agregado a um terceiro eletrodo implantado na região do lado esquerdo do coração. O objetivo é ressincronizar o coração, ou seja, colocar a parte elétrica e a parte mecânica em harmonia e próximas ao que deveria ocorrer normalmente.

Implante de marcapasso no feixe de HIS

Sistema de marcapasso com dois eletrodos à direita, sendo que um deles (o do ventrículo direito) é implantado no eixo normal do sistema de condução do coração, permitindo uma estimulação fisiológica e evitando aumento progressivo do coração.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Atuação